Por detrás do ARIYA
Das geladas florestas escandinavas às ruas soalheiras das aldeias mediterrânicas, a diversidade das paisagens de condução na Europa não tem comparação. E no que toca à criação de um novo automóvel elétrico para o mercado europeu, esta diversidade pode representar um grande desafio? e uma oportunidade!
Os clientes das terras selvagens da Noruega necessitam tanto que o seu VE (automóvel elétrico) tenha uma boa condução como alguém que o utilize no trânsito urbano em Paris, ou a velocidade elevada ao longo das autoestradas que cruzam a Alemanha. E para os automóveis elétricos, a conjugação com a infraestrutura de carregamento acrescenta ainda outro nível ao desafio.

Quem aceitou este desafio foi Ian Shepherd, engenheiro-chefe no Centro Técnico da Nissan Europa (NTCE), em Cranfield, Reino Unido. Responsável pelos projetos VE da Nissan, Ian lidera a comunicação entre a equipa da Nissan Europa e as equipas de desenvolvimento no Japão, assegurando assim que as necessidades e expectativas iniciais dos clientes europeus não são apenas cumpridas, como excedidas. «Enquanto centro de desenvolvimento europeu, o NTCE está na linha da frente para compreender as necessidades dos clientes europeus, tirando partido da experiência obtida ao longo dos quase 40 anos da sua existência», revela Ian.

O trabalho do Ian começou por estar focado no LEAF, mas expandiu-se desde então para o novo Qashqai, que irá introduzir a exclusiva tecnologia e-POWER da Nissan na Europa, assim como derradeiro crossover coupé totalmente elétrico da Nissan: o ARIYA. Para assegurar que cada modelo se adequa às estradas europeias, o Ian e a equipa no NTCE começam por estabelecer alvos de desempenho e trabalham nessa direção com espírito inovador e em busca de sofisticação.

No caso do ARIYA, isto significava idealizar um automóvel de estilo revolucionário com «proporções elegantes, implementadas num chassis de elevado desempenho, aceleração fulgurante e uma frente imponente».

E apesar do ADN do ARIYA descender do LEAF, a ambição para este primeiro crossover VE foi a de «demonstrar tecnologias da Mobilidade Inteligente da Nissan num contexto de exterior verdadeiramente repleto de estilo e um habitáculo sem cedências», com o Ian a acrescentar que «a competitividade deste fator é constantemente verificada neste segmento em constante mudança». Conjugando uma história de pioneirismo e conhecimentos técnicos nos segmentos de automóveis elétricos e crossover, o Nissan ARIYA é um verdadeiro ícone da Mobilidade Inteligente da Nissan.

Testes e modificações conduzidos pelo conhecimento

No Centro de Desempenho de Condução do NTCE em Bona, Alemanha, os engenheiros da Nissan afinam automóveis há mais de 20 anos. O Ian explica que os «cenários de condução europeus, em particular o desempenho a alta velocidade e nas estradas sinuosas, são muito diferentes dos que podemos encontrar noutros mercados».

No decorrer do desenvolvimento do ARIYA, era importante que este tivesse a capacidade de lidar com estas situações já que num momento os condutores podem estar a conduzir à velocidade máxima numa autobahn na Alemanha e no momento seguinte percorrer estradas sinuosas nas montanhas dos Alpes. Ian acrescenta que «capacidades como a aceleração, conforto e prazer de condução, as sensações ao volante e o desempenho do ProPILOT, têm de ser afinadas para garantir que os automóveis se adequam ao mercado europeu».

Tirando proveito dos testes numa variedade de estradas, Ian explica que «introduzimos modificações no software de condução e travagem, assim como afinámos elementos do conforto interior, com o objetivo de otimizar o desempenho».

Para Marco Fioravanti, vice-presidente do Planeamento de Produtos para a região AMIEO da Nissan, os testes de novos automóveis nas condições locais é uma parte fundamental do processo de compreensão de como a experiência de condução pode ser melhorada.

«Através do nosso processo avançado de testes, fomos capazes de tirar partido do legado do LEAF e desenvolver o ARIYA para um desempenho em condições de condução europeias, condições essas muito específicas e diferentes das de outras regiões. Com a tecnologia e-4ORCE, o sistema funciona perfeitamente em segundo plano a alta velocidade ou em estradas sinuosas, fornecendo desempenho e precisão no controlo do automóvel sem incomodar o condutor, conseguindo assim uma viagem mais confortável e gratificante para todos os passageiros».

Para ajustar ainda mais o ARIYA a esta região, determinadas componentes foram especificamente desenvolvidas para a Europa. «Alguns conhecimentos importantes foram retirados de uma viagem à Noruega», partilhou Ian. Enquanto mercado com a maior aceitação de VE na Europa, a Noruega é um local ideal para saber mais sobre as necessidades dos clientes e da forma como os veículos elétricos estão a ser utilizados no quotidiano. "Tivemos conhecimento, por exemplo, de que muitos clientes possuíam um barco e, como tal, dispor de capacidade de reboque era "obrigatório" para este grande mercado».

Este fator tornou-se um importante diferenciador para o ARIYA como nos explica Ian, «já que era algo que nos diferenciava da concorrência». Desde o controlo de precisão em curva, à capacidade de reboque para as viagens de fim-de-semana com a família, o Nissan ARIYA foi exaustivamente testado para assegurar a sua preparação para ultrapassar com distinção o seu desafio europeu.
OUTRAS NOTICIAS
Quer receber todas as novidades?

Registe-se grátis para receber as novidades por email e faça parte do Grupo AJúlio






O Grupo A. Júlio é composto por 13 empresas, em 10 sectores de atividade e com 300 colaboradores. Contacte-nos e deixe-nos ajudá-lo a descobrir a melhor solução para si!
Aceito a Politica de Proteção de Dados